ENTREVISTA: Filipe Catto fala sobre o lançamento nacional de “Entre Cabelos, Olhos e Furacões” no Sesc Vila Mariana, em São Paulo

Filipe Catto (Foto: Diego Ciarlariello / Divulgação)
Filipe Catto (Foto: Diego Ciarlariello / Divulgação)

Para muitos, Filipe Catto é a bola da vez na música brasileira. Cantor de recursos e intuição muito acima da média na atual cena nacional, agora ele se prepara para o maior salto da carreira.

Lançando o cd ao vivo e dvd “Entre Cabelos, Olhos e Furacões” pela Universal Music, o artista realiza dois (disputadíssimos) concertos em São Paulo, nos dias 3 e 4 de Agosto,  que marcam o início da turnê que deve rodar o Brasil pelos próximos 12 meses.

O novo trabalho foi gravado em duas noites de fevereiro, com ingressos esgotados no Auditório Ibirapuera. A principio baseado no repertório do seu primeiro álbum de estúdio “Fôlego” (Universal Music, 2010), tanto o cd quanto o dvd resultam em nova abordagem das canções que surgem mais pesadas nos arranjos e com roteiro que inclui temas de Roberto Carlos, Zé Ramalho e Eduardo Dusek.

Filipe conversou comigo sobre o lançamento do novo álbum e primeiro dvd, sua relação com o palco e o que mudou desde que veio viver em São Paulo.

A entrevista:

Alexandre Eça – Da estreia de “Fôlego”, em 2011, até o lançamento deste “Entre Cabelos, Olhos e Furacões” lá se vão quase dois anos. De lá pra cá, no palco, percebeu mudanças significativas no acabamento do trabalho por conta da rodagem do show?
Filipe Catto – Percebi mudanças profundas, musicalmente falando. E isso veio muito da coisa de estar em bando, tocando com a banda na estrada. Acho que as músicas ganharam esse frescor, os arranjos ficaram naturalmente mais pesados por conta da formação, e eu fiquei mais solto. Me encontrei com o vocalista de banda que eu era lá atrás. E as músicas que eu gravei no Fôlego acabaram fazendo cada vez mais sentido pra mim à medida que eu fui cantando elas no dia-dia. Acho que cada show é uma oportunidade que eu tenho e resignificar meu repertório.

Seu público cresceu a medida que a exposição do seu som foi parar em trilha de novela. Ao mesmo tempo, sempre que ouço as pessoas falando de você há um notório interesse por sua atuação em cena. Você se considera um artista de palco? É mais prazeroso que o trabalho de criação em estúdio, por exemplo?
Filipe Catto – Eu sou um artista de palco, esse é meu estandarte. É como eu me apresento e como as pessoas me conhecem. Estar em cima do palco, pra mim, é a razão de eu fazer tudo que eu faço, desde dar entrevista até gravar. Este é o lado externo, palpável do meu trabalho. Mas existe o outro lado também, da composição, da criação que é uma coisa totalmente diferente, nem melhor nem pior. Mas eu sinto que neste momento eu estou em uma outra situação, com outras questões… Deliciosas, mas intimas, que são mais um combustível para pisar no palco e cantar. Eu divido muito o que eu sou no estúdio, na hora de compor e o que o palco significa pra mim. Estou longe de ser um cantautor. Eu sou intérprete, ponto.

Lançar um trabalho por uma gigante da indústria como a Universal traz algum peso maior ou necessidade de suprir certas expectativas? Você pensa nisso?
Filipe Catto – Eu penso muito pouco nas expectativas externas, até porque eu faço música, e tudo é muito intangível. Existem mil coisas que estão em torno do artista, e isso é função de cada um fazer sua parte. Minha parte, eu faço, que é criar, cantar e agir de forma séria e profissional. Neste lado, vejo o trabalho com uma gravadora como uma parceria que está dando certo à medida que a transparência existe. Agora, meu único leme, dentro ou fora de qualquer parceria, é minha intuição, meu feeling de fazer o que eu acredito da forma mais honesta e verdadeira possível. Tudo é vem sendo e será consequência disso. Meu compromisso maior é comigo e com o publico.

Filipe Catto (Foto: Diego Ciarlariello / Divulgação)
Filipe Catto (Foto: Diego Ciarlariello / Divulgação)

Você vive em São Paulo. O cd e dvd foram gravados na cidade. Algumas vezes já cruzei com você pela noite daqui. Qual a influência da cidade na sua música?
Filipe Catto – Toda! Sao Paulo me emociona e me inspira, muito pelos encontros que a a cidade proporciona. Eu vejo Sao Paulo como um lugar de encontros, de trocas, de parcerias. Viver aqui abriu minha cabeça como compositor, como interprete… Me colocou de encontro a uma geração que é a minha. Sou muito feliz em Sao Paulo.

No roteiro do show há canções autorais. É diferente interpretar algo criado por você à partir de referências que, acredito, sejam mais próximas do seu cotidiano?
Filipe Catto – Eu não vejo muita diferença neste sentido dentro do contexto do show. Ali em cima eu sou intérprete, das minhas canções inclusive. Eu estou a favor de um todo, e esse todo é o que me interessa. No contexto, Luz Negra tem tanto peso qua to Saga, e me exige tanto emocionalmente quanto… É claro que é uma delicia cantar minhas musicas, e eu acho que o publico sente isso também… Adoro quando as pessoas cantam comigo Adoração, por exemplo.

O lançamento nacional do “Entre Cabelos, Olhos e Furacões” será no Sesc Vila Mariana. O espetáculo trará alguma novidade em relação ao trabalho gravado?
Filipe Catto – Não sei ainda, eu sou muito instintivo com isso. Se rolar na ultima semana uma musica que eu encanar de colocar, eu vou colocar. Por enquanto eu preparei umas surpresas, mas não posso contar! Ainda é segredo, mas vai ficar bem legal.

Já ouvi, na Europa, as pessoas comentando seu trabalho e se mostrando curiosas. Há planos, a partir deste lançamento, de uma turnê internacional?
Filipe Catto – A gente foi a Portugal esse ano, foi muito bacana, fiquei espantado e emocionado com a maneira com que eu fui recebido no Velho Mundo. Eu adoro a Europa e quero muito prospectar este espaço, com tempo, paciência… Mas minha prioridade está aqui, na verdade. Tem muito o que fazer no Brasil, mas quem sabe o dia de amanha? Eu acredito num processo de dentro pra fora, em todos os sentidos. Acho que qualquer coisa que for acontecer lá fora será consequência de um bom trabalho aqui.

Serviço
Filipe Catto – Show de Lançamento de “Entre Cabelos, Olhos e Furacões”
Dias 3 e 4 de Agosto
Sesc Vila Mariana
Atualização 29.7.2013 – os ingressos já estão esgotados

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s