SHOW: Ângela Maria e Cauby Peixoto – “Reencontro”

Angela Maria e Cauby Peixto no palco do Sesc Vila Mariana (Foto: Alexandre Eça)
Angela Maria e Cauby Peixoto no palco do Sesc Vila Mariana (Foto: Alexandre Eça)

Ângela e Cauby – Reencontro
Quando: 1.2.2014
Onde: Teatro Sesc Vila Mariana – São Paulo
Review: star-512star-512star-512

Cauby Peixoto e Ângela Maria acabaram de lançar o terceiro cd em conjunto de suas longevas carreiras. “Reencontro” (2014) sai pela gravadora Nova Estação, criada pelo produtor Thiago Marques Luiz, também responsável pela direção do show onde os cantores apresentaram parte do repertório do álbum, além de sucessos emblemáticos dos seus mais de 60 anos de estrada. Maiores ícones ainda em atividade na música brasileira, Ângela e Cauby pairam acima de quaisquer crítica, cobrança ou expectativas quando sobem juntos ao palco. Até por isso soou  simpática, porém desnecessária a fala da cantora, logo após o primeiro número da noite, pedindo desculpas por falhas de memória que pudessem aparecer ao longo do espetáculo. Tais falhas aconteceram, é verdade. Por vezes Cauby se perdeu no andamento das canções e Ângela esqueceu letras, mas tais faltas não empalideceram o brilho de um show que apresentou um repertório atemporal, quase totalmente baseado em sambas-canções e boleros dos anos 1940, 1950 e 1960.

No medley inicial, numa novidade da cena, os artistas trocaram de repertório, com Cauby dando voz a sucessos de Ângela (“Abandono” e “Orgulho“) e a cantora ousando em notas mais altas com “Nono Mandamento” e “Molambo“, todos executados com sobriedade e sem excessos pelo quinteto comandado pelo maestro  Daniel Bondaczuk. Daí pra frente, o diálogo conceitual e afetivo entre os interpretes ditou o ritmo do show. Algumas “inovações”, como frisaram os artistas, surgiram ainda no início do show com Cauby mostrando firmeza em “De Volta Pro Aconchego” e Ângela, em interpretação muito acima da média, criando um novo entendimento para “O Portão“, sucesso de Roberto Carlos. O primeiro grande momento da noite veio na dobradinha “Chove Lá Fora” (Tito Madi), cantada por Cauby e “Noite Chuvosa“, samba-canção onde Ângela com atuação primorosa mostra o porque é uma das cantoras mais influentes e copiadas em todos os tempos na música brasileira. Acabou aplaudida de pé, em cena aberta, pelo público formado em sua grande maioria por senhores e senhoras contemporâneos dos cantores. Tal cena viria a se repetir outras 4 vezes durante o espetáculo, principalmente quando os maiores sucessos da carreira de Ângela e Cauby deram o ar da graça – e foram muitos. “Bastidores“, “Conceição” e “Granada“, por Cauby. “Vida de Bailarina“, “Ave Maria no Morro” e “Babalu“, por Ângela.

Ao encerrar o show com “Como É Grande O Meu Amor Por Você” (Roberto Carlos), cantada em coro pela público em demonstração de afeto recíproco, Ângela Maria e Cauby Peixoto, apenas corroboraram o que é sabido por todos – são rei e rainha, por direito e vocação, da canção brasileira.

O repertório da noite de estreia da temporada paulistana:

1. Abandono (Nazareno de Brito / Presyla de Barros)
    Nono mandamento (Renê Bittencourt / Raul Sampaio)
    Orgulho (Waldir Rocha / Nelson Wederking)
    Molambo (Augusto Mesquita / Jayme Florence)
    Abandono (Nazareno de Brito / Presyla de Barros)
2. De Volta Pro Aconchego (Cecéu)
3. O Portão (Roberto Carlos / Erasmo Carlos)
4. Tres palabras (Osvaldo Farrés)
5. Chove lá fora (Tito Madi)
6. Noite chuvosa (João Leal Brito / Britinho / Fernando César)
7. You’ll never know (Harry Warren / Mack Gordon)
    Eu vou ter sempre você (versão de Antonio Marcos para música de Harry Warren / Mack Gordon)
8. A pérola e o rubi (versão de Haroldo Barbosa para música de Jay Livingston)
9. Vida de bailarina (Américo Seixas / Chocolate)
10. Bastidores (Chico Buarque)
11. Estava escrito (Lourival Faissal)
12. Lábios de Mel (Waldir Rocha)
13. Conceição (Jair Amorim / Valdemar de Abreu / Dunga)
14. Evergreen (Barbra Streisand / Paul Williams)
15. Gente humilde (Garoto / Vinicius de Moraes / Chico Buarque)
16. Ave Maria No Morro (Herivelto Martins)
17. Granada (Agustín Lara)
18. Babalu (Margarita Lecuona)
19. Na Baixa do Sapateiro (Ary Barroso)
20. BIS – Como é grande o meu amor por você (Roberto Carlos)

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s