Lançamentos Música Mpb Resenhas Show

SHOW: Com ares de diva, Marina de La Riva aposta na delicadeza ao homenagear Dorival Caymmi

marina5
Marina de La Riva no palco do Teatro Sesc Vila Mariana (Foto: Alexandre Eça)

Marina de La Riva Canta Caymmi
Quando: 20.2.2014
Onde: Teatro Sesc Vila Mariana – São Paulo
Review: star-512star-512star-512 1/2

A atmosfera delicada  impressa pela cantora carioca Marina de La Riva em “Sodade Matadeira” (1948, Dorival Caymmi), primeiro número da noite em que a cantora homenageou  Dorival Caymmi (1914-2008), foi a tônica de um espetáculo que parecia ambientado em outras eras. Primeiro evento do ano a lembrar o centenário do gênio baiano, Marina de La Riva canta Caymmi estreou em São Paulo com roteiro privilegiando clássicos do cancioneiro de Caymmi criados nas décadas de 1940 e 1950 – onze dos dezesseis números do repertório nasceram neste período. A sensação retrô, de calculado saudosismo, se fez notar desde o figurino da cantora, que remetia com certo glamour aos crooners dos salões da neo ex-província  até o afiado quinteto que acompanhou Marina, armado tal qual um regional, formação que dominava o cenário musical da época. Por isso soou tão imagética a interpretação de “Doralice” (Dorival Caymmi / Antonio Almeida), samba de 1945 do repertório do conjunto Anjos do Inferno, ou de “Você Não Sabe Amar” (1950, Carlos Guinle / Dorival Caymmi / Hugo Lima), samba-canção que em cena apareceu abolerado com bonita introdução de acordeão.

Com ares de diva, Mariana de La Riva também valorizou com seu canto afinado a doce “Acalanto” (Dorival Caymmi), chamando à memória canção marcante da sua infância e destacando a alternância de andamentos em “João Valentão” (1953, Dorival Caymmi), número ritmado pela subida de tons nas cores do funcional cenário que simulava velas içadas de um saveiro, cujos efeitos e movimentos de iluminação realçaram intenções, nem sempre facilmente identificáveis, em parte do roteiro que remetia às canções praieiras de Dorival. Em momentos que acenavam a esta faceta da obra de Caymmi como “É Doce Morrer no Mar” (1941, Dorival Caymmi / Jorge Amado), que arriscou na dobradinha com “Alfonsina Y El Mar” (Ariel Ramirez / Felix César Luna), sucesso de Mercedes Sosa também já abordado pela cantora Simone em 1982 no seu álbum “Corpo e Alma”, a delicadeza que norteou o espetáculo deu a impressão que faltou intensidade ao canto de Marina, mesmo sentimento que aflorou ao final de “Canto de Nanã” e “Oração de Mãe Menininha“, duas canções entoadas com a adesão da cantora Bia Goes e que pareceram deslocadas do eixo conceitual do show pela acentuada levada afro da banda. Talvez a maior ousadia estilística da noite tenha sido a interpretação de “Só Louco“, canção cujo soberbo registro de Nana Caymmi é referência tão contundene que dificulta a vida de qualquer intérprete que tente desafiar a gravação original. Reservada para o bis, Só Louco apareceu em dramática encenação teatral de Marina, apenas acompanhada por baixo acústico e emendada com “Dos Gardênias” (Isolina Carrillo), outra música alheia ao repertório de Caymmi, mais conhecida no Brasil por fazer parte do repertório do filme “Buena Vista Social Club” – a ousadia surtiu efeito e a cantora acabou ovacionada pela plateia. No final das contas, entre sutis intenções, quando Marina de La Riva apostou na delicadeza ao homenagear  (o amoroso)  Caymmi sua transformação em diva de épocas passadas funcionou bem.

Fotos do Show. Aqui.

O roteiro da noite de estreia de Marina de La Riva Canta Caymmi:

1. Sodade Matadeira (Dorival Caymmi)
2. Sargaço Mar (Dorival Caymmi)
3. Doralice (Dorival Caymmi / Antonio Almeida)
4. João Valentão (Dorival Caymmi)
5. Você Não Sabe Amar (Carlos Guinle / Dorival Caymmi / Hugo Lima)
6. É Doce Morrer No Mar ( Dorival Caymmi / Jorge Amado) / Alfonsina Y El Mar (Ariel Ramirez / Felix César Luna)
7. Acalanto (Dorival Caymmi) / ?
8. Saudade da Bahia (Dorival Caymmi)
9. Rosa Morena (Dorival Caymmi)
10. Vestido de Bolero (Dorival Caymmi)
11. O Bem Do Mar (Dorival Caymmi)
12. Canto de Nanã (Dorival Caymmi) / Oração De Mãe Menininha (Dorival Caymmi)
13. Marina (Dorival Caymmi)
14. Suíte dos Pescadores / Canto Ao Pescador (Dorival Caymmi)
BIS
15. Só Louco (Dorival Caymmi) / Dos Gardenias (Isolina Carrillo)
16. Você Já Foi À Bahia? (Dorival Caymmi)

0 comentário em “SHOW: Com ares de diva, Marina de La Riva aposta na delicadeza ao homenagear Dorival Caymmi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s