Destaque Lançamentos Música Mpb Resenhas

Com o mediano Coração A Batucar, Maria Rita confirma que é ótima cantora mesmo com repertório irregular

capa_cd_MariaRita_divulgacao

Maria Rita – Coração A Batucar
Lançamento: Universal Music, março/2014
Quanto: R$ 24, em média
Review: star-512star-512 1/2

Foi se dedicando ao samba a partir do terceiro disco de estúdio que Maria Rita ampliou seu público antes restrito à parcela antenada dos fãs reverentes à MPB de estirpe. Em 2007, com Samba Meu, Maria Rita deu passos importantes para se consolidar entre as grandes cantoras populares e passou a viver, durante dois e ou três anos, dos louros deste bem sucedido trabalho. Agora, depois de um disco confuso, Elo (2011), cujo alcance foi bastante restrito, e da visita ao repertório de Elis Regina em Redescobrir (2013), ação que resultou em grande sucesso nos palcos mas sem, contudo, roçar o êxito mercadológico de Samba Meu, a cantora volta a olhar para o gênero que lhe conferiu popularidade com o lançamento de Coração A Batucar (Universal Music, 2014). Mas ao contrário daquela primeira incursão pelo samba, quando a cantora parecia realmente à vontade num repertório de forte pegada percussiva, em Coração A Batucar tudo soa bem menos instintivo e espontâneo. Mesmo mantendo a fidelidade aos compositores que ajudaram a botar seu samba na rua, Maria Rita agora aparenta pretensão desmedida em busca de uma elegância que conduz o novo trabalho à paragens sonoras levemente antiquadas, sem qualquer indício de ousadia. Tudo tão arrumadinho que deixa a impressão de se tratar de um samba de butique, feito por encomenda ou para perseguir um prestígio que hoje não alcança os mesmos patamares de outrora.

À canções de boa cepa como “Rumo ao infinito” (Arlindo Cruz / Marcelinho Moreira / Fred Camacho), tema escolhido para puxar a divulgação do disco, “No Meio do Salão” (Magnu Souza / Maurílio de Oliveira / Everson Pessoa), “Vai Meu Samba“, da dupla Noca da Portela e Sérgio Fonseca e “No Mistério do Samba” (Joyce Moreno), somam-se músicas bem menos inspiradas que quando se salvam são mais pelas interpretações classudas de Maria Rita do que por suas qualidades artísticas. É o caso das inéditas “Bola Pra Frente” (Xande de Pilares / Gilson Bernini) e “Nunca Se Diz Nunca” (Xande de Pilares / Charlles André / Leandro Fab), tão fracas que nem todo esforço de Jota Moraes, pianista responsável pelos arranjos do álbum, consegue disfarçar, resultando numa incômoda sensação de que o repertório escolhido não está a altura da boa cantora. Um tanto indefinido, mediano no seu conjunto, Coração A Batucar ecoa tímido, com cara de trilha sonora de novela, sem arrebatar ou aludir aos melhores momentos da carreira de Maria Rita.

1 comentário em “Com o mediano Coração A Batucar, Maria Rita confirma que é ótima cantora mesmo com repertório irregular

  1. Interpretações classudas de Maria Rita?

    Curtir

Deixe uma resposta para Ademar Amancio Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s