Maria Alcina roubou a cena na estreia de Corações Vagabundos, show que reverenciou a obra de Caetano Veloso

mariaalcina_cidamoreira_marciacastro-54
Cida Moreira, Maria Alcina e Márcia Castro (foto Alexandre Eça)

Show Corações Vagabundos
Com Cida Moreira, Maria Alcina e Márcia Castro
10.12.2016
Teatro Paulo Autran – São Paulo
Review: star-512star-512star-512 1/2

Espetáculo armado em torno do cancioneiro de Caetano Veloso, Corações Vagabundos estreou ontem na capital paulista protagonizado pelas cantoras Cida Moreira, Maria Alcina e Márcia Castro. O show, que apostou nos sucessos dos 50 anos de carreira do compositor baiano, poderia até ter caído na mesmice não fosse a ambientação eletrônica dos arranjos e o toque preciso da guitarra de Rovilson Pascoal – mesmo sem grandes ousadias, a banda eficiente abriu caminho para o brilho das cantoras.

Primeira a se apresentar, logo após o número de abertura em que as cantoras deram vozes a Oração do Tempo, a baiana Marcia Castro mostrou intimidade – e até exagerada reverência – com a porção romântica e sincrética da obra de Caetano, mantendo o tom cool em Queixa e Milagres do Povo. Na sequência, com a sua insuspeita carga dramática, Cida Moreira surgiu personalíssima abordando um lado mais reflexivo de Caetano. Subvertendo andamentos, a dama indigna deu show de interpretação ao sublinhar as intenções políticas em Um Índio, buscar a branda resignação amorosa em Ela e Eu, e seguir com O Amor, Cajuína e Eu Não Peço Desculpas.

Mas foi Maria Alcina que roubou a cena em noite de reverência à obra do compositor baiano. Ao subir ao tradicional palco do Teatro Paulo Autran, já nas primeiras notas de Os Mais Doces Bárbaros, Alcina mostrou que seria a única a sair do script trazendo contornos alegóricos a canções cujas versões originais são quase sempre superiores a tentativas de atualizações modernosas. Tons graves, distorções de guitarras e beats eletrônicos contrastavam com a expansiva performance da cantora que mostrou total entedimento  de temas como Tropicália – ponto alto da noite, que arrancou longos aplausos da plateia em cena aberta -, Língua e a carnavalesca Atrás do Trio Elétrico. Foi a deixa para o bis que juntou o trio em Eclipse Oculto e Chuva Suor e Cerveja em momento menos sedutor e um pouco desencontrado. Com repertório que privilegiou músicas muito conhecidas e executadas de Caetano Veloso, Corações Vagabundos cumpriu bem o papel de abordar em ambiência contemporânea uma obra que já está no inconsciente coletivo do brasileiro, como mostrou a total adesão do público que cantou em coro quase todas as músicas do espetáculo.

 

Fotos

Fotos Alexandre Eça

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s